Olá Usuário/Convidado, é um prazer tê-lo no fórum, Cadastre-se ou faça Login Utilizando o Facebook, aqui é um fórum de diversidades, espero que goste. Abraço.

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997

Ir à página : Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 2 de 2]

31 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Ter Ago 13, 2013 9:51 pm

Shauca

avatar
:awesome 

32 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 1:23 pm

Tays

avatar
Hahaha, o que foi isso?!
Filmaço, claro que é 10 Notbad

33 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 1:49 pm

Shauca

avatar
Tays escreveu:Hahaha, o que foi isso?!
Filmaço, claro que é 10 Notbad
Eba!... A Ty curtiu... Legal d+++

Valeu Ty... Ahh Notbad ^^ 

34 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 2:54 pm

@StreetPreachers

avatar
O que eu poderia dizer a respeito de The Game, ou Jogo da Vida como sugeriu minha legenda? Think 
Spoiler:
      The Game faz jus ao seu nome, nos propondo um jogo não só vai além do que poderíamos imaginar como também é uma brincadeira de reflexão das ações que giram entre o protagonista e o toda a teia de ações que se desenrolam para o telespectador.
      Essa reflexão começa no contexto da história. Nicholas é atormentado por um jogo que ele não entende como começou e sua finalidade, ele apenas tem fragmentos dos quais tenta unir para descobrir como sair disso e qual a finalidade disso. Mas Nicholas começa a ver que as ações perdem o rumo do imaginado, tudo gira a uma complexa lógica (E às vezes parece até não ter), a noção de distinguir o que vai acontecer, no que acreditar, em qual informação aproveitar foge da mão dele, que acaba sendo guiado pelo o que o jogo quer.
      Assim segue o telespectador, que na sua posição de voyeur desde o começo do filme tenta juntar as peças, afinal, nenhum telespectador deixa de tentar adivinhar o fim, de tentar descobrir quem é o bom e quem é o mal e qual é a finalidade de tudo, para ele não basta em si observar mas também tentar prever cada movimento e com isto, ter o fim antes do fim.
      Não é atoa que o telespectador acaba se tornando o protagonista Nicholas, sendo arrematado pela mesma sensação de estarmos perdidos, pois se um momento julgamos conosco que a loira do filme é uma vítima (Ao ser demitida), logo achamos que ela é amiga (Ao mesmo se mostrar do lado vilão tentar nos ajudar), depois já achamos que ela na verdade é má e enganou o tempo todo (Quando ela faz ele dormir), para no fim  irmos (Nos e o protagonista) de encontra a ela com raiva a ponto de não cedermos mais, estamos convencidos que ela não vai nos enganar, para enfim ela estar falando a verdade e descobrirmos que ela é boa.
      Conrad (Irmão de Nicholas), por outro lado, é visto por mim como o próprio Diretor, que brinca excessivamente conosco, ilude, monta todas as cenas para fazermos acreditar no que ele quer desviando-nos do que realmente é verdade. Assim, ele consegue não só fazer o irmão sair da zona de conforto dele onde as únicas perdas são dólares no mercado de ações, como também nos atinge profundamente ao tirar nossa capacidade de antecipar suas ações, obrigando-nos deste modo a sentir junto com o personagem e consequentemente caímos no próprio jogo por ele proposto (Algo que me lembra o impacto que Hitchcock tentava criar mesmo possuindo histórias simples).
      Além do mais, toda a trilha sonora não só é bela (ao optar por sutis notas de piano), como também alude à um suspense que também serve em grande parte a trazer-nos a ilusão de perigo, quando na verdade há é grande humor negro em todas essas jogadas. Assim também o filme emplaca com ótimas interpretações que em nenhum momento deixam de nós convencer.
Aliás, se cheguei a citar uma alusão de humor no filme é necessário entender a natureza obvia de algumas cenas em um filme que não gira ao óbvio. Por exemplo, Em uma cena o protagonista vai conversar com a loira para segundos antes de conversar o que realmente quer dizer "Eu não devia ter vindo", para assim exitar ir embora e ser aceito seu desabafo da protagonista, assim como quando a ex-vilã atual mocinha diz "Você só tem a mim para confiar agora", esses únicos momentos de cenas previsíveis e repetitivas nos fazem crer que finalmente estamos no controle novamente do que vai acontecer, para novamente em seguida nossa lógica ser arrematada. É ou não é um diretor diabólico este?
      Encerrando-se assim um grande filme (E um empolgado comentário), The Game é realmente uma pérola e assim como Nicholas agradece pela experiência, eu como telespectador dificilmente deixaria de agradecer por essa experiência (;



Última edição por @StreetPreachers em Sab Ago 17, 2013 3:25 pm, editado 2 vez(es)

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

35 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:20 pm

Shauca

avatar
@StreetPreachers escreveu:O que eu poderia dizer a respeito de The Game, ou Jogo da Vida como sugeriu minha legenda? Think 
Spoiler:
      The Game faz jus ao seu nome, nos propondo um jogo não só vai além do que poderíamos imaginar como também é uma brincadeira de reflexão das ações que giram entre o protagonista e o toda a teia de ações que se desenrolam para o telespectador.
Essa reflexão começa no contexto da história. Nicholas é atormentado por um jogo que ele não entende como começou e sua finalidade, ele apenas tem fragmentos dos quais tenta unir para descobrir como sair disso e qual a finalidade disso. Mas Nicholas começa a ver que as ações perdem o rumo do imaginado, tudo gira a uma complexa lógica (E às vezes parece até não ter), a noção de distinguir o que vai acontecer, no que acreditar, em qual informação aproveitar foge da mão dele, que acaba sendo guiado pelo o que o jogo quer.
      Assim segue o telespectador, que na sua posição de voyeur desde o começo do filme tenta juntar as peças, afinal, nenhum telespectador deixa de tentar adivinhar o fim, de tentar descobrir quem é o bom e quem é o mal e qual é a finalidade de tudo, para ele não basta em si observar mas também tentar prever cada movimento e com isto, ter o fim antes do fim.
      Não é atoa que o telespectador acaba se tornando o protagonista Nicholas, sendo arrematado pela mesma sensação de estarmos perdidos, pois se um momento julgamos conosco que a loira do filme é uma vítima (Ou ser demitida), logo achamos que ela é amiga (Ao mesmo se mostrar do lado vilão tentar nos ajudar), depois já achamos que ela na verdade é má e enganou o tempo todo (Quando ela faz ele dormir), para no fim  irmos (Nos e o protagonista) de encontra a ela com raiva a ponto de não cedermos mais, estamos convencidos que ela não vai nos enganar, para enfim ela estar falando a verdade e descobrirmos que ela é boa.
      Conrad (Irmão de Nicholas), por outro lado, é visto por mim como o próprio Diretor, que brinca excessivamente conosco, ilude, monta todas as cenas para fazermos acreditar no que ele quer desviando-nos do que realmente é verdade. Assim, ele consegue não só fazer o irmão sair da zona de conforto dele onde as únicas perdas são dólares no mercado de ações, como também nos atinge profundamente ao tirar nossa capacidade de antecipar suas ações, obrigando-nos deste modo a sentir junto com o personagem e consequentemente caímos no próprio jogo por ele proposto (Algo que me lembra o impacto que Hitchcock tentava criar mesmo possuindo histórias simples).
      Além do mais, toda a trilha sonora não só é bela (ao optar por sutis notas de piano), como também alude à um suspense que também serve em grande parte a trazer-nos a ilusão de perigo, quando na verdade há é grande humor negro em todas essas jogadas. Assim também o filme emplaca com ótimas interpretações que em nenhum momento deixam de nós convencer.
Aliás, se cheguei a citar uma alusão de humor no filme é necessário entender a natureza obvia de algumas cenas em um filme que não gira ao óbvio. Por exemplo, Em uma cena o protagonista vai conversar com a loira para segundos antes de conversar o que realmente quer dizer "Eu não devia ter vindo", para assim exitar ir embora e ser aceito seu desabafo da protagonista, assim como quando a ex-vilã atual mocinha diz "Você só tem a mim para confiar agora", esses únicos momentos de cenas previsíveis e repetitivas nos fazem crer que finalmente estamos no controle novamente do que vai acontecer, para novamente em seguida nossa lógica ser arrematada. É ou não é um diretor diabólico este?
      Encerrando-se assim um grande filme (E um empolgado comentário), The Game é realmente uma pérola e assim como Nicholas agradece pela experiência, eu como telespectador dificilmente deixaria de agradecer por essa experiência (;
Uau... Uia... Oshi... Oh Jesus!!

Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh 
Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh 

Valeu Milady... Realmente aqui se faz críticas de qualidade top... Obrigado!! Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris

P.S: Meu avatar está mais brilhante depois dessa... (Olhem a cara de bobo feliz do Fincher) L0L

36 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:26 pm

@StreetPreachers

avatar
ShaucaMovie escreveu:
@StreetPreachers escreveu:O que eu poderia dizer a respeito de The Game, ou Jogo da Vida como sugeriu minha legenda? Think 
Spoiler:
      The Game faz jus ao seu nome, nos propondo um jogo não só vai além do que poderíamos imaginar como também é uma brincadeira de reflexão das ações que giram entre o protagonista e o toda a teia de ações que se desenrolam para o telespectador.
Essa reflexão começa no contexto da história. Nicholas é atormentado por um jogo que ele não entende como começou e sua finalidade, ele apenas tem fragmentos dos quais tenta unir para descobrir como sair disso e qual a finalidade disso. Mas Nicholas começa a ver que as ações perdem o rumo do imaginado, tudo gira a uma complexa lógica (E às vezes parece até não ter), a noção de distinguir o que vai acontecer, no que acreditar, em qual informação aproveitar foge da mão dele, que acaba sendo guiado pelo o que o jogo quer.
      Assim segue o telespectador, que na sua posição de voyeur desde o começo do filme tenta juntar as peças, afinal, nenhum telespectador deixa de tentar adivinhar o fim, de tentar descobrir quem é o bom e quem é o mal e qual é a finalidade de tudo, para ele não basta em si observar mas também tentar prever cada movimento e com isto, ter o fim antes do fim.
      Não é atoa que o telespectador acaba se tornando o protagonista Nicholas, sendo arrematado pela mesma sensação de estarmos perdidos, pois se um momento julgamos conosco que a loira do filme é uma vítima (Ou ser demitida), logo achamos que ela é amiga (Ao mesmo se mostrar do lado vilão tentar nos ajudar), depois já achamos que ela na verdade é má e enganou o tempo todo (Quando ela faz ele dormir), para no fim  irmos (Nos e o protagonista) de encontra a ela com raiva a ponto de não cedermos mais, estamos convencidos que ela não vai nos enganar, para enfim ela estar falando a verdade e descobrirmos que ela é boa.
      Conrad (Irmão de Nicholas), por outro lado, é visto por mim como o próprio Diretor, que brinca excessivamente conosco, ilude, monta todas as cenas para fazermos acreditar no que ele quer desviando-nos do que realmente é verdade. Assim, ele consegue não só fazer o irmão sair da zona de conforto dele onde as únicas perdas são dólares no mercado de ações, como também nos atinge profundamente ao tirar nossa capacidade de antecipar suas ações, obrigando-nos deste modo a sentir junto com o personagem e consequentemente caímos no próprio jogo por ele proposto (Algo que me lembra o impacto que Hitchcock tentava criar mesmo possuindo histórias simples).
      Além do mais, toda a trilha sonora não só é bela (ao optar por sutis notas de piano), como também alude à um suspense que também serve em grande parte a trazer-nos a ilusão de perigo, quando na verdade há é grande humor negro em todas essas jogadas. Assim também o filme emplaca com ótimas interpretações que em nenhum momento deixam de nós convencer.
Aliás, se cheguei a citar uma alusão de humor no filme é necessário entender a natureza obvia de algumas cenas em um filme que não gira ao óbvio. Por exemplo, Em uma cena o protagonista vai conversar com a loira para segundos antes de conversar o que realmente quer dizer "Eu não devia ter vindo", para assim exitar ir embora e ser aceito seu desabafo da protagonista, assim como quando a ex-vilã atual mocinha diz "Você só tem a mim para confiar agora", esses únicos momentos de cenas previsíveis e repetitivas nos fazem crer que finalmente estamos no controle novamente do que vai acontecer, para novamente em seguida nossa lógica ser arrematada. É ou não é um diretor diabólico este?
      Encerrando-se assim um grande filme (E um empolgado comentário), The Game é realmente uma pérola e assim como Nicholas agradece pela experiência, eu como telespectador dificilmente deixaria de agradecer por essa experiência (;
Uau... Uia... Oshi... Oh Jesus!!

Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh 
Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh Ahh 

Valeu Milady... Realmente aqui se faz críticas de qualidade top... Obrigado!! Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris Arco iris

P.S: Meu avatar está mais brilhante depois dessa... (Olhem a cara de bobo feliz do Fincher) L0L
*u* own, obrigada digo eu a você Juks, por sempre dar essa força toda!


L0L 
Acho que eu também incorporo a face do meu avatar ao digitar esse comentários.

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

37 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:28 pm

Shauca

avatar
^^ ah Notbad 

38 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:28 pm

Eliton

avatar
Vou incorporar a do meu também, posso? 666 kkkkkkkkk

39 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:29 pm

@StreetPreachers

avatar
Lemmy escreveu:Vou incorporar a doa meu também, posso? 666 kkkkkkkkk 
Dafuq Aht Jesus, a paradinha tá ficando tensa.
Spoiler:
kkkkkkkkk kkkkkkkkk kkkkkkkkk 

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

40 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sab Ago 17, 2013 3:30 pm

Shauca

avatar
Lemmy escreveu:Vou incorporar a do meu também, posso? 666 kkkkkkkkk
Non incorporando me mim, fique à vontade brother Lemmy... kkkkkkkkk kkkkkkkkk kkkkkkkkk 

41 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sex Set 06, 2013 2:02 pm

Shauca

avatar
Balanço rapidinho desta indicação...

2 notas 10...
1 nota 9...
1 nota 8,5...
1 nota 8,0 (Mestre Caio prestigiou mesmo sem ter participado desta edição... Legal)

Estou satisfeito até agora com as notas conseguidas... Valeu a pena!! Smile

42 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Dom Set 15, 2013 3:24 pm

Gabo

avatar
Spoiler:
Admito que até chegar próximo ao fim estava achando o filme apenas bom... quando ele descobre que era tudo parte do jogo achei interessante, mas um pouco previsível. Aí já pensei que o filme tinha acabado, mas o final verdadeiro realmente me surpreendeu L0L Notbad 

Nota 9,2

43 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Dom Set 15, 2013 7:12 pm

Shauca

avatar
Gabo escreveu:
Spoiler:
Admito que até chegar próximo ao fim estava achando o filme apenas bom... quando ele descobre que era tudo parte do jogo achei interessante, mas um pouco previsível. Aí já pensei que o filme tinha acabado, mas o final verdadeiro realmente me surpreendeu L0L Notbad 

Nota 9,2
Notbad Notbad Notbad Notbad Notbad 

44 Re: Todos Assistem 5.2 >>> The Game, 1997 em Sex Set 09, 2016 11:41 pm

Renato Luiz

avatar
papaco2

Esse final foi ó, uma bosta. O filme inteiro é bom, aí essa porcaria de desfecho forçado estraga, me senti enganado. Ridículo.

http://egocerebral.blogspot.com

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 2 de 2]

Ir à página : Anterior  1, 2

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum