Olá Usuário/Convidado, é um prazer tê-lo no fórum, Cadastre-se ou faça Login Utilizando o Facebook, aqui é um fórum de diversidades, espero que goste. Abraço.

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Depósito de Textos Literários

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 5 de 5]

121 Re: Depósito de Textos Literários em Sab Set 17, 2016 10:03 pm

Otávio

avatar
Spoiler:
Pedro Nava escreveu:O defunto


Quando morto estiver meu corpo,
Evitem os inúteis disfarces,
Os disfarces com que os vivos,
Só por piedade consigo,
Procuram apagar no Morto
O grande castigo da Morte.


Não quero caixão de verniz
Nem os ramalhetes distintos,
Os superfinos candelabros
E as discretas decorações.


Quero a morte com mau-gosto!


Dêem-me coroas de pano.
Dêem-me as flores de roxo pano,
Angustiosas flores de pano,
Enormes coroas maciças,
Como enormes salva-vidas,
Com fitas negras pendentes.


E descubram bem minha cara:
Que a vejam bem os amigos.
Que não a esqueçam os amigos.
Que ela ponha nos seus espíritos
A incerteza, o pavor, o pasmo.
E a cada um leve bem nítida
A idéia da própria morte.


Descubram bem esta cara!


Descubram bem estas mãos.
Não se esqueçam destas mãos!
Meus amigos, olhem as mãos!
Onde andaram, que fizeram,
Em que sexos demoraram
Seus sabidos quirodáctilos?


Foram nelas esboçados
Todos os gestos malditos:
Até os furtos fracassados
E interrompidos assassinatos.


— Meus amigos! olhem as mãos
Que mentiram às vossas mãos...
Não se esqueçam! Elas fugiram
Da suprema purificação
Dos possíveis suicídios.


— Meus amigos, olhem as mãos!
As minhas e as vossas mãos!


Descubram bem minhas mãos!


Descubram todo o meu corpo.
Exibam todo o meu corpo,
E até mesmo do meu corpo
As partes excomungadas,
As sujas partes sem perdão.


— Meus amigos, olhem as partes...
Fujam das partes,
Das punitivas, malditas partes ...


E, eu quero a morte nua e crua,
Terrífica e habitual,
Com o seu velório habitual.


— Ah! o seu velório habitual!


Não me envolvam em lençol:
A franciscana humildade
Bem sabeis que não se casa
Com meu amor da Carne,
Com meu apego ao Mundo.


E quero ir de casimira:
De jaquetão com debrum,
Calça listrada, plastron...
E os mais altos colarinhos.


Dêem-me um terno de Ministro
Ou roupa nova de noivo ...
E assim Solene e sinistro,
Quero ser um tal defunto,
Um morto tão acabado,
Tão aflitivo e pungente,
Que sua lembrança envenene
O que resta aos amigos
De vida sem minha vida.


— Meus, amigos, lembrem de mim.
Se não de mim, deste morto,
Deste pobre terrível morto
Que vai se deitar para sempre
Calçando sapatos novos!
Que se vai como se vão


Os penetras escorraçados,
As prostitutas recusadas,
Os amantes despedidos,
Como os que saem enxotados
E tornariam sem brio
A qualquer gesto de chamada.


Meus amigos, tenham pena,
Senão do morto, ao menos
Dos dois sapatos do morto!
Dos seus incríveis, patéticos
Sapatos pretos de verniz.
Olhem bem estes sapatos,
E olhai os vossos também.

122 Re: Depósito de Textos Literários em Seg Nov 07, 2016 7:41 pm

Renato Luiz

avatar
Madrugada Eterna

O coração de um sol que já não pulsa.
A vontade vazia de um jovem triste
Que não acorda, nem dorme – só existe.
O Escuro do quarto, a consciência avulsa.

Tudo… tudo o que há, a treva engole
E, pairando em frente aos meus medos
Flutuo, com pavor, como em dedos,
Nas mãos magras desta mãe sem prole!

Ecoa, porém, em meu crânio sonolento
A energia caótica de um trôpego alento:
Da natureza, a força egoísta e falsa
Também tudo apanha, numa rede esparsa!

Ó noite de silêncio ininterrupto!
Converta-me num ser mais vivo
Preenchido do instinto mais lascivo
Tira-me o arbítrio de ser-ou-não corrupto…

Faça-me um mero bicho entregue à sorte
Neste chão frio em que não há morte
nem vitória, nem dor, nem ganho…

Madrugada Universal dos sonhos meus,
Que não acaba, e nem mata os filhos teus
Deixa-me morrer em teu ventre estranho!



Última edição por Renato Luiz em Ter Nov 08, 2016 1:26 pm, editado 3 vez(es)

http://egocerebral.blogspot.com

123 Re: Depósito de Textos Literários em Seg Nov 07, 2016 7:52 pm

Renato Luiz

avatar
Acho q essa ficou boa mog

http://egocerebral.blogspot.com

124 Re: Depósito de Textos Literários em Seg Nov 07, 2016 8:27 pm

Otávio

avatar
Brecht escreveu:
Vou fazer o papel de uma bêbada
que vende os filhos
em Paris, nos tempos da Comuna.
Tenho apenas cinco réplicas.

E preciso de me deslocar, de subir a rua.
Caminharei como gente livre,
gente que só o álcool
quis libertar e voltar-me-ei
para o público.
Analisei as minhas cinco réplicas como os documentos
que se lavam com ácido para descobrir sob os caracteres visíveis
outros possíveis caracteres. Pronunciarei cada réplica
com a melhor acusação
contra mim e contra todos os que me olham.

Se eu não refletisse, maquilar-me-ia simplesmente
como uma velha beberrona
doente e decadente. Mas vou entrar em cena
como uma bela mulher que guarda a marca da distribuição
na pálida pele outrora macia e agora cheia de rugas
outrora atraente e agora repelida
pra que ao vê-la cada um se interrogue: quem
fez isto?

125 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 10:58 am

@StreetPreachers

avatar
Renato Luiz escreveu:Acho q essa ficou boa mog
Ficou bom sim ^^

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

126 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 1:59 pm

Renato Luiz

avatar
@StreetPreachers escreveu:
Renato Luiz escreveu:Acho q essa ficou boa mog
Ficou bom sim ^^

Agora melhorou. O nome se encaixou melhor no poema, mas o anterior é sensacional... Think já sei, vai ser o nome do livro Fuckyea



Última edição por Renato Luiz em Ter Nov 08, 2016 2:04 pm, editado 1 vez(es)

http://egocerebral.blogspot.com

127 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 1:59 pm

Renato Luiz

avatar
Intensidade


Levanta da cama.
Abre a janela.
Bebe um copo d’água.
Sai de casa, vai para algum lugar.
Pra onde não importa.
Anda em passos lentos, sem destino ou não.

A cada passo que deres,
A cada copo que beberes,
Faça-o com profundo amor –
Ou intenso ódio. Do fundo do teu âmago
Dedica-te. Derrama-te em cada
Ato, em cada gesto, em cada fala.
De conteúdo, de paixão, enche a vida.

Se não canto, ao menos grito.
Se não rio, ao menos choro.
Se não escrevo, leio.
Não sou feliz: mas vivo!
Há quem diga que só se é feliz depois da morte…

Tudo faça como quem agradece
A esta dádiva incerta,
Esta bênção maldita que é estar vivo.
Seja grato. A Deus, à própria vida…
Não sei a quem.
Talvez a ninguém. Mas seja grato!

....


Ou não – tu é quem sabes.



Última edição por Renato Luiz em Ter Nov 08, 2016 4:44 pm, editado 2 vez(es)

http://egocerebral.blogspot.com

128 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 2:16 pm

@StreetPreachers

avatar
Renato Luiz escreveu:Agora melhorou. O nome se encaixou melhor no poema, mas o anterior é sensacional...  Think  já sei, vai ser o nome do livro Fuckyea
Sim, agora encaixou melhor  Think
Notbad Já tá pensando no livro, que chique!
Spoiler:
Falo isso mas eu mesma tô escrevendo um Cachorrim

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

129 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 2:17 pm

Renato Luiz

avatar
@StreetPreachers escreveu:
Renato Luiz escreveu:Agora melhorou. O nome se encaixou melhor no poema, mas o anterior é sensacional...  Think  já sei, vai ser o nome do livro Fuckyea
Sim, agora encaixou melhor  Think
Notbad Já tá pensando no livro, que chique!
Spoiler:
Falo isso mas eu mesma tô escrevendo um Cachorrim

Opa, já tenho dois poemas L0L Foda-se zuera

Vc tá msm? :0

http://egocerebral.blogspot.com

130 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 2:21 pm

@StreetPreachers

avatar
Renato Luiz escreveu:
Opa, já tenho dois poemas L0L Foda-se  zuera

Vc tá msm? :0
kkkk Já é um começo Cachorrim

Sim ^^ por enquanto só tem 9 páginas porque é difícil eu achar tempo, mas quando eu animo dá para escrever um bocadinho.
Spoiler:
Agora se é algo que presta eu não sei Foda-se

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

131 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 2:31 pm

Renato Luiz

avatar
Não se preocupe com a qualidade, só vai escrevendo. Como diz o ditado, a prática leva a perfeição, e água mole em pedra dura tanto bate até que nunca se endireita, filho de peixe e outro do caçador, e aguas passadas não movem camarão que a onda leva.

http://egocerebral.blogspot.com

132 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Nov 08, 2016 2:40 pm

@StreetPreachers

avatar
Renato Luiz escreveu:Não se preocupe com a qualidade, só vai escrevendo. Como diz o ditado, a prática leva a perfeição, e água mole em pedra dura tanto bate até que nunca se endireita, filho de peixe e outro do caçador, e aguas passadas não movem camarão que a onda leva.
kkkkkkkkk kkkkkkkkk seu bobo.

(; obrigada, vou me lembrar disso.

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

133 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Jan 10, 2017 4:04 pm

Renato Luiz

avatar
Curtam minha página ai Eaaaaaaaaaaaaaaaaaaa  vou começar a postar com frequência, uns poema e pa

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

http://egocerebral.blogspot.com

134 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Jan 10, 2017 4:05 pm

Renato Luiz

avatar
Hj chegou a 500 likes Fuckyea Maneiro

http://egocerebral.blogspot.com

135 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Jan 10, 2017 5:28 pm

@StreetPreachers

avatar
Renato Luiz escreveu:Hj chegou a 500 likes Fuckyea  Maneiro
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
\o/

https://www.skoob.com.br/usuario/3850039

136 Re: Depósito de Textos Literários em Sab Jan 14, 2017 12:03 am

A.L.

avatar
Porque eu não pude parar para a Morte:
Emily Dickinson escreveu:Porque eu não pude parar para a Morte –
Ela gentilmente parou para mim –
Na Carruagem, apenas nós –
E a Imortalidade.

Nós viajamos lentamente – Ela não tinha pressa
E eu tive de pôr de lado
Meu trabalho e meu lazer,
Por Delicadeza –

Passamos pela Escola, onde Crianças se exercitavam
No Recreio – no Pátio –
Passamos pelos Campos dos Grãos Maduros –
Passamos pelo Sol Poente –

Ou melhor – Ele passou por nós –
O Orvalho veio tremulante e cálido –
Apenas como Fina Trama, minhas Vestes –
Meu Xale – apenas Tule –

Estacamos diante duma Casa que parecia
Uma Elevação do Solo –
Do Telhado pouco se via –
A Cornija – a tocar o Chão –

Desde então – por Séculos – e ainda
Mais breve que o Dia
Constatei que as Cabeças dos Cavalos
Voltavam-se para a Eternidade –

137 Re: Depósito de Textos Literários em Ter Jan 31, 2017 8:13 pm

Renato Luiz

avatar
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

http://egocerebral.blogspot.com

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 5 de 5]

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum